Dica: como usar instrumentos Geocartográficos nas corridas de rua e de montanha

Sentir a topografia da terra desafiando cada parte do seu corpo, a pele resistindo aos mais diferentes climas, do sol escaldante dos trópicos ao vento gelado dos polos. Mas ainda assim seguir, subir a montanha, partilhar a energia da natureza e correr. Confira como usar instrumentos geocartográficos nas corridas de rua e de montanha

Correr não é apenas um esporte, mas também um estilo de vida. Cada pessoa em sua modalidade, sentindo os mais diversos relevos e superando seus limites físicos e psicológicos.

De tempos em tempos os esportes vêm ganhando equipamentos e tecnologias que auxiliam e otimizam o desempenho, e nesse sentido, qual o papel das Geotecnologias nas mais diversas modalidades de corrida?

Curta o GEOeduc no Facebook

O GPS – Sistema de Posicionamento Global – é hoje indispensável para esportistas que procuram saber por onde andam, pois permite criar rotas georreferenciadas, calcular o percurso, analisar a declividade do terreno e localizar pontos específicos com precisão considerável.

Hoje, com o considerável uso dos smartphones, desenvolveram-se inúmeros aplicativos de geolocalização, específicos para quem pratica corridas e outros tipos de esportes , já que a maioria dos aparelhos conta com a tecnologia de posicionamento global para seu desempenho.

Muito interessante também são as tabelas esportivas nas quais o atleta pode desenvolver em um banco de dados geográficos ou mesmo em uma planilha excel e espacializar os dados em um SIG – Sistema de Informações Geográficas.

Existem vários SIGs livres, nos quais é possível carregar os dados e desenvolver inúmeras atividades gratuitamente. Com essa ferramenta é possível utilizar até mesmo imagens de satélite e criar mapas para analisar o percurso, observando o relevo, a estrutura do terreno e os mais variados obstáculos. Também é possível criar mapas de declividade através de modelos digitais do terreno, buscando dessa forma conhecer melhor o percurso e criar produtos de suas atividades esportivas.

Confira um exemplo de gráfico altimétrico da maratona Comrades.

 Fonte: http://www.papodeesteira.com.br

Correndo contra o tempo (e o terreno)

Várias modalidades de corrida pedem a utilização das Geotecnologias:

• Corrida de Montanha – o que caracteriza a corrida de montanha é o percurso, com muitas subidas e descidas fortes, com inúmeros obstáculos naturais. Para ser considerado Corrida de Montanha, o percurso deve ter um mínimo de altimetria acumulada, que é a soma de subidas e descidas, tendo como base o nível médio dos mares, variando de acordo com a distãncia.

• Corrida Trail – é caracterizada pelo intenso contato com a natureza, pois acontece em trilhas, bosques, florestas e praias, com obstáculos naturais, como travessias de rios. As distâncias variam entre 5 a 100 quilômetros e podem ser praticadas por todos os públicos.

• Corrida de Rua – esse tipo de corrida é realizado nas vias urbanas pavimentadas e planas. É a modalidade mais popular no Brasil e um dos esportes mais praticados no mundo. As distâncias mais comuns são 5, 10, 21 e 42 quilômetros. As de 42 quilômetros – distância clássica do atletismo – são as chamadas maratonas.

Há também as maratonas. Podemos considerar as maratonas mais difíceis de serem realizadas a maratona Ironman e a Comrades.

A maratona Ironman é um triathlon, que inclui natação, ciclismo e corrida, onde o atleta tem até 17 horas para completar o percurso de aproximadamente 226 quilômetros, e que é realizado em diversos lugares do globo terrestre, como o Deserto do Saara, Floresta Amazônica, Havaí e em diversos outros locais.

A maratona Comrades também é um triathlon com características semelhantes a da maratona Ironman, realizada na África do Sul.

Siga-nos no Twitter

O uso das Geotecnologias auxilia o atleta a conhecer o local onde irá realizar o percurso da corrida, espacializar dados do ambiente, além de desenvolver gráficos e mapas de declividades.

“Encarar um grande desafio como se fosse um projeto é fundamental para quem quer correr médias e grandes distâncias, como uma meia-maratona, uma maratona ou um ‘Iron Man’, por exemplo”, afirma Eduardo Freitas, instrutor do Instituto GEOeduc e praticante de corridas de rua. “E as Geotecnologias estão aí pra auxiliar tanto no planejamento como no acompanhamento dos treinamentos, através de relógios e smartphones com GPS, mapas online, planilhas eletrônicas aliadas a softwares de SIG e tudo mais que possa mostrar espacialmente a evolução dos treinos”, conclui.

Eduardo está atualmente se preparando para correr uma maratona em 2018 e tem utilizado apps com GPS juntamente com uma planilha online para planejamento/acompanhamento das corridas e para verificar a evolução dos treinos.

Sentir a natureza, superar limites, compreender a dinâmica da Terra: correr exige força e conhecimento! As Geotecnologias e o Instituto Geoeduc estão presentes para lhe ajudar nessa empreitada!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *