Topografia

O futuro da Topografia: a tecnologia e o destino do profissional do setor

Os profissionais do setor Geo já vêm, há alguns anos, questionando qual seria o futuro da topografia. Hoje, pode-se dizer que esse futuro chegou. Entretanto, em razão da grande (e veloz) evolução tecnológica alcançada nos últimos anos, será que é seguro dizer que a topografia convencional está chegando ao fim?

Por Luís Antônio Soares*

A Topografia, palavra que, etimologicamente, deriva do grego e significa “descrição do lugar”, é a ciência que tem por objetivo o estudo dos acidentes geográficos e sua localização, bem como dos instrumentos e métodos utilizados para obter a representação gráfica de uma porção do terreno sobre uma superfície plana, ou seja, o plano topográfico.

Aplicações práticas da Topografia

Essa área do conhecimento, com suas aplicações práticas, é fundamental em todo tipo de obra, seja de engenharia, arquitetura, agricultura, tais como projetos viários, de edificações, loteamentos, etc.

No início de uma obra, primeiro se faz necessário definir localização, dimensões e condições do terreno. Identificam-se os elementos presentes no local, como árvores, cursos de água, interferências subterrâneas e antigas edificações. Trata-se do chamado levantamento topográfico, e a exatidão das informações produzidas nessa fase é crucial para o que vem depois.

É justo dizer que um mau serviço de topografia pode paralisar ou colocar toda uma obra a perder. Se o levantamento é incorreto, há riscos de grande prejuízo financeiro e problemas para comunidades próximas, podendo levar a rompimentos de adutoras, cabeamentos e dutos subterrâneos, invasão da obra em terreno alheio ou em área de preservação. Enfim, requisito essencial para implantação de projetos, não é necessário enfatizar mais sobre a importância do serviço de topografia.

Novo curso de Topografia

O crescimento acelerado da tecnologia

O avanço tecnológico garantiu a geração de máquinas com hardwares mais potentes, a automatização de processos, o aumento na quantidade de dados coletados e equipamentos cada vez menores, mais leves e portáteis com qualidade e alto detalhamento da área levantada.

Atualmente, novas tecnologias já são aplicadas para realizar o mapeamento dessa porção da superfície terrestre, como, por exemplo, os drones e os lasers. A expressão “topografia com drone” vem se tornando cada vez mais comum, porém é importante esclarecer que o que chamamos de topografia com drones nada mais é que um processo fotogramétrico de obtenção de informações, carecendo de um trabalho de análise e validação do profissional para a geração de um produto cartográfico de qualidade e precisão.

Hoje, a aerofotogrametria é a tecnologia mais usada em mapeamento de grandes áreas, pelo fato de apresentar produtos precisos a custos relativamente baixos. Com o advento dos drones, foi possível mapear áreas menores com um custo ainda mais baixo, de forma mais fácil e ágil, pois esta tecnologia exige menos profissionais em campo e menor risco durante o levantamento. Se quiser saber mais sobre os drones e vants, recomendamos a leitura deste artigo.

Além dos drones, o mapeamento com laser foi implantado como uma tecnologia disruptiva no que tange a quantidade de informações coletadas, ou seja, o nível de detalhamento. Utilizando a tecnologia LIDAR, que consiste em método de sensoriamento remoto ativo que utiliza laser pulsado para medir distâncias, os equipamentos a laser permitem a obtenção de informações tridimensionais acerca da superfície terrestre com alta precisão. Essa tecnologia pode ser utilizada tanto de forma terrestre ou embarcada em aeronaves, obtendo como produto final uma nuvem de pontos altamente densificada que garante que o ambiente seja mapeado com um nível de detalhamento impressionante.

O futuro da topografia e do profissional da área

Com esse turbilhão de equipamentos e ferramentas high-tech surgindo para facilitar (e, muitas vezes, substituir) o trabalho humano, fica a pergunta: como a topografia convencional e o trabalho do topógrafo se coloca perante tais progressos da tecnologia?

A topografia é essencial para servir de referência e base para que essas novas tecnologias alcancem uma precisão adequada para geração de produtos cartográficos, por meio do acompanhamento dos processos de levantamento, da análise das informações, e da fiscalização e validação dos dados obtidos.

Logo, por mais que tecnologias, como drones e lasers, estejam conceitualmente voltadas para a Fotogrametria, é difícil falar de uma área separadamente, sem levar em consideração todas as outras ciências envolvidas no mesmo processo, ou seja, a Topografia, e também a Geodésia, são essenciais em um levantamento fotogramétrico, seja com drones ou lasers, para garantir a obtenção de produtos cartográficos de alta qualidade.

Além do mais, pode haver projetos em que essas novas tecnologias nem sempre poderão ser aplicadas, seja por permissão de uso ou acesso ao local ou pela precisão requerida. Quando se deseja realizar um levantamento de uma galeria (topografia subterrânea), por exemplo,  não é possível, ainda, realizá-lo com drones e, mesmo que se utilize o laser para varredura da condição do túnel, é necessário que este esteja vinculado a uma poligonal implantada por topografia na superfície e seja feito, então, o transporte de coordenadas. Dessa forma, a topografia convencional se mostra extremamente relevante no apoio a essas novas tecnologias.

Contudo, a inovação não para! Então, o que podemos esperar para o futuro?

É certo que existe uma tendência de automatização dos processos de medição, redução no tamanho dos equipamentos e aumento na resolução e detalhamento dos levantamentos. Além disso, quando falamos especificamente sobre o futuro dos drones, podemos esperar aeronaves com cada vez maior estabilidade e autonomia de voo e de ação.

Sendo assim, é importante que o profissional desse setor acompanhe e se atualize quanto às tendências e às melhores e mais modernas práticas, buscando capacitação sobre equipamentos e softwares. É fundamental investir continuamente em qualificação, pois, em uma profissão tão ligada à necessidade de acurácia nos dados e de ferramentas, há riscos de se deixar cair na obsolescência. Mas não se esqueça de que tecnologia não é tudo. Deve-se sempre levar em conta os princípios científicos que serviram de base para o desenvolvimento tecnológico, de forma a garantir a geração de produtos de qualidade, precisão, segurança e a satisfação do cliente.

Curso de Topografia

O Instituto GEOeduc está lançando o novo curso de Topografia Básica, que apresenta, de forma simples e didática, os principais conceitos, técnicas e aplicações da Topografia em diversas áreas do conhecimento, com um capítulo especial voltado para a apresentação das novidades do setor, como o laser scanner, os drones e os vants, bem como os principais conceitos de Topografia de Minas e Industrial.

Luís Antônio Soares e Sousa – Engenheiro Cartógrafo e Agrimensor. Mestrando no programa de Ciências Geodésicas da Universidade Federal do Paraná, graduado em Engenharia Cartográfica e de Agrimensura na Universidade Federal de Uberlândia e ex-bolsista nos programas Jovens Talentos para Ciências CAPES/CNPq, PIVIC e PIBIC/CNPq. Além disso, atuou como membro na EJEAC Consultoria, no qual desempenhou a função de Diretor Administrativo-Financeiro e Diretor Presidente. Participou do programa de mobilidade acadêmica Internacional BRAFITEC no período de 2015-2016 no Institut National des Sciences Apliquées em Strasbourg, França.


2 comentários sobre “O futuro da Topografia: a tecnologia e o destino do profissional do setor

    • Olá André, tudo bem? O curso é online, à distância, e você pode acessá-lo a qualquer hora, de qualquer lugar. O material e as vídeo-aulas ficam disponíveis para o aluno por 3 meses. Também existe suporte direto com o especialista dentro da plataforma em caso de dúvidas. Espero que goste do curso. Abraços!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *