Potencialidades do Sistema de Informação Geográfica no Estudo Ambiental

Veja neste artigo a importância e a potencialidade da utilização do SIG em estudos que envolvem a área ambiental

Por Arthur Paiva

Em tempos remotos, trabalhar com informações georreferenciadas era uma tarefa para poucos. Os levantamentos de dados geográficos, por exemplo, eram concebidos por meios ultrapassados, além de se utilizar o levantamento direto (em campo) como única forma de catalogação de dado espacial, uma vez que o sensoriamento remoto era uma técnica de alto custo.

Com o advento da computação, o desenvolvimento dos SIG (Sistemas de Informações Geográficas) se deu início e ampliou os níveis de análise geradas por dados geográficos, principalmente nos estudos ambientais.

O SIG consiste em um conjunto de ferramentas para armazenamento de dados, processamento e documentação de informações geográficas em dada área de interesse. Na perspectiva de estudo ambiental, os dados geográficos podem representar diferentes elementos em dado local, como dados socioeconômicos, físicos-bióticos, geológico entre outros. Assim, a estruturação de modelos geoambientais se torna possível, por garantir o inter-relacionamento entre os planos de informações utilizados no projeto.

O curso de Análise Espacial de Impactos Ambientais com o software ArcGIS aborda o uso dos sistemas de análise geográfica em 4 tipos de estudo ambiental: Mapeamento Temático, Avaliação de Impacto Ambiental, Diagnóstico Ambiental, Ordenamento Territorial e os Prognósticos Ambientais (1).

1.    Mapeamento temático: O mapeamento temático consiste na caracterização e registro do conteúdo demonstrado no espaço geográfico para análises futuras. No contexto ambiental, é fundamental o mapeamento temático preliminar na identificação de áreas habilitadas e não habilitadas, a fim de apoiar estudos detalhados de impactos ambientais diversos.

2.    Avaliação de Impactos Ambientais: Consiste em supervisionar os parâmetros mais relevantes dentro do modelo geográfico ambiental construído para a identificação dos impactos ambientais diretos. Os modelos multicritério são fundamentais, pois relaciona parâmetros georreferenciados de qualquer natureza em certo local definido. A Figura abaixo ilustra o resultado de uma modelagem geoambiental com um mapeamento temático.

3.    Diagnóstico Ambiental: O diagnóstico ambiental contempla o resultado final do estudo de impactos, visando o destaque de áreas críticas e projetos de preservação. O uso de documentos cartográficos (layouts) e gráficos são amplamente utilizadas para garantir adequado entendimento por parte do público em geral.

4.    Prognósticos Ambientais: Com auxílio da modelagem multicritério, é possível identificar locais de alto risco ambiental, permitindo um planejamento ambiental adequado para esses locais. O contexto de deslizamento é abordado no curso, na qual consiste em uma tarefa fundamental para o planejamento de uso do solo.

Portanto, o uso do SIG é, fundamentalmente, importante no estudo ambiental, por garantir o cruzamento de diferentes planos de informação e minimizar a complexidade do estudo ambiental através do uso de ferramentas gráficas e interativas. No entanto, o SIG apresenta um papel social relevante dentro de todo esse processo: contribuir para um melhor entendimento do meio ambiente em que nós vivemos.

Curso aborda SIG em estudos ambientais, através do software ArcGIS

Quer aprofundar seus conhecimentos na área e aprender na prática? Inscreva-se no nosso curso online de Avaliação de Impactos Ambientais com o software ArcGIS.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *